-O Lume Observatório das Coisas Contemporâneas (Locco) do Instituto de Ciências Humanas e da Informação (ICHI) promove, dentro do projeto Encontros Locco, a palestra pública intitulada

"Entre cientistas, burocracias e uma coisa chamada patrimônio: uma etnografia da prática arqueológica no licenciamento ambiental ",

por Marcus A. S. Witmann, Mestre em Antropologia Social (NIT/PPGAS/UFRGS), que acontecerá no dia 18 de maio, sexta-feira, as 14:00, na sala 415, do Prédio 04.

As inscrições podem ser feitas através do Sistema de Inscrições SINSC-FURG, até as 18:00 do 18 maio..

Resumo da palestra: Que arqueologia se faz no licenciamento ambiental? Quais as especificidades da construção do conhecimento arqueológico dentro desse contexto? Qual o papel dos trâmites burocráticos, da legislação, de questões políticas, sociais e econômicas nesses processos? O debate sobre essas e outras perguntas são desenvolvidas através de uma etnografia com arqueólogos que atuam nesse contexto e a análise de relatórios técnicos. O licenciamento ambiental é um instrumento burocrático regido pelo estado para fiscalizar e legislar sobre as obras de engenharia que impactam de alguma forma o meio ambiente, populações e o patrimônio cultural brasileiro. A arqueologia gere nesse contexto os sítios e bens arqueológicos que podem ser encontrados no local e quais devem ser as deliberações adotadas para sua preservação. A pesquisa, uma etnografia da prática arqueológica, abarcou entrevistas com arqueólogos que atuam no licenciamento ambiental e a análise de projetos e relatórios referentes ao licenciamento de diversos empreendimentos no estado do Rio Grande do Sul.


O projeto de ensino “Encontros Locco” se define como abertura para um espaço de observação, análise, crítica e ação sobre temas pertinentes e estratégicos, no tempo e no espaço. Os encontros, que variam em metodologias de desenvolvimento - seminários, cine-debates, conferências, etc. – têm por objetivo propiciar oportunidades de ensino e aprendizagem sobre do eixo geral da proposta, as materialidades contemporâneas por meio de uma abordagem arqueológica.

O Lume - Observatório das Coisas Contemporâneas, cuja sigla é LOCCO, estrutura-se como um espaço de pesquisa-ensino-extensão que tem como propósito observar o estado da arte e fomentar estudos ligados às materialidades contemporâneas. As problemáticas que envolvem as materialidades contemporâneas convergem com os desafios de estudarmos, desde uma perspectiva arqueológica, as sociedades contemporâneas e suas tensões, considerando, inclusive, simetricamente humanos e não humanos, natureza e cultura; bem como superar os limites e/ou recortes cronológicos. O que, por fim, também levará o Observatório a fomentar o debate epistemológico da própria Arqueologia. Enquanto que em outros países, em especial Estados Unidos, França e Inglaterra, os estudos da cultura material do passado recente ou do presente, tem encontrado campo fértil para debate entre os arqueólogos(as), desde os anos de 1980, no Brasil, este debate ainda é incipiente.


Apesar de ainda não serem relevantes trabalhos relacionados a estes temas no Brasil, o Curso de Bacharelado em Arqueologia da FURG, por vários caminhos, dentre eles na ênfase de Arqueologia do Capitalismo, tem proporcionado aos(as) graduandos(as) contato com os diferentes estudos interdisciplinares realizados no Brasil e no exterior. E, talvez não unicamente, mas igualmente motivado por isto, os estudos relacionados às materialidades contemporâneas, tem encontrado demanda crescente entre os(as) graduandos(as) do Bacharelado em Arqueologia nesta Universidade, o que pode ser observado nas temáticas desenvolvidas nos Trabalhos de Conclusão de Curso.
Desta forma, o projeto de ensino Encontros LOCCO se define como de abertura para um espaço de observação, análise, crítica e ação sobre temas pertinentes e estratégicos, no tempo e no espaço. Através dos encontros, que variam em metodologias de desenvolvimento - seminários, cine-debates, conferencias, etc - objetiva-se propiciar oportunidades de ensimo/aprendizagem sobre do eixo geral da proposta, as materialidades contemporâneas desde uma abordagem arqueológica.